Leite Materno pode mudar de gosto e levar bebê a rejeitar a Amamentação?

Já pensou se seu bebê rejeitar a amamentação?

Oi, aqui é a Lorena! Esse artigo que preparei é pra falar sobre a importância da alimentação e o que ela pode influenciar na amamentação.

O leite materno é o primeiro alimento do ser humano, instintivo, completo, simples e barato. No entanto, ainda gera inúmeras controvérsias. Pega correta, posição adequada… Por quanto tempo o bebê deve mamar? Existe um intervalo certo?

Mais Lidas da Semana:

  1. Anticoncepcional é Seguro?
  2. Chocolate PARA TPM: É Verdade ou Mentira?
  3. Sintomas da Menopausa: como tratar!

São mil dúvidas que devem ser respondidas pelo pediatra até mesmo antes do nascimento do bebê.

Em relação ao aleitamento, muitas perguntas estão nas cabeças dos pais, e muitas fantasias e questionamentos aparecem. Para todas estas dúvidas, não existe uma resposta padronizada, pois varia muito de criança para criança, de mãe para mãe.

Quando amamentar?

Na prática, o bebê mama quando tem fome e isto pode ser sinalizado de diferentes formas, como movimentos de sucção e procura do peito. O choro seria um sinal mais tardio da fome.

O que procuramos fazer é que o bebê mame, se possível, ainda na sala de parto, ou pelo menos seja colocado em contato com peito materno.

A quantidade de colostro é variável e pode ser pequena ao nascimento e vai aumentando gradativamente nas primeiras horas. A cor do leite também varia muito, não devendo ser comparado em cor e mesmo em densidade, ao leite de outras espécies.

A duração da mamada não tem relação com quantidade de leite consumido, já que a eficiência da sucção é variável. O ideal é que dure até que o bebê solte espontaneamente o peito. Importante lembrar que a formação de fissuras está diretamente associada à pega e posição inadequadas.

É extremamente importante que o pediatra peça para ver a amamentação na consulta inicial ou quando houver dúvida, para orientar a pegada, a posição, avaliar a força da sucção.

Durante a mamada, a composição do leite é diferenciada. Inicialmente contém mais proteínas e açúcares e ao final o leite é rico em gorduras e vitaminas lipossolúveis, sendo mais calórico.

Assim, é importante que seu filho mame o primeiro peito completamente, até que o solte espontaneamente, e só então, o segundo peito é ofertado. Às vezes poderá aceitar, às vezes já estará saciado.

O leite materno pode alterar o gosto e interferir na amamentação?

O leite materno não é sempre idêntico ou homogêneo e pode ter seu sabor alterado por causa da dieta da mãe. Ou seja, o que a mulher come pode interferir no gosto do leite oferecido ao bebê que, por sua vez, pode rejeitar a mamada ocasionalmente.

Outra provável causa pode ser o processo de uma nova gestação e, muitas vezes, o próprio bebê já sinaliza que há uma nova gravidez em curso ao abandonar o peito espontaneamente, sentindo uma variação de sabor causada por modificações hormonais no leite da gestante.

Mudanças no sabor do leite materno é uma das causas mais comuns de uma greve de amamentação, que é quando um bebê, de repente, mostra desinteresse ou mesmo desgosto em mamar.

O que não comer durante a amamentação

Alguns alimentos consumidos pela mãe podem, de fato, resultar em sabores diferentes ao leite materno, que podem causar mudanças mais significativas de gosto, mas ainda não se sabe ao certo como a alteração vai influenciar na aceitação do leite pelo bebê.

Além das variações individuais de cada mulher, isso depende de mais fatores, como a quantidade de alimento consumido, o resto da dieta e a composição nutricional do leite no momento.

Entre os alimentos que alteram o sabor do leite estão os mais condimentados e com gosto mais forte. Mas isso não significa que o bebê irá rejeitar o leite. Pode acontecer de um bebê que mama normalmente recusar o leite de repente por causa dessa mudança de sabor. A única forma de saber é observar a reação dele depois das mamadas.

Alimentos com cafeína, como café, chocolate e refrigerantes podem deixar o bebê agitado e mau humorado. Já os que provocam gases em adultos, como brócolis, couve-flor e repolho, também podem causar o problema nos bebês. E os que possuem alto nível de mercúrio, como os frutos do mar.

Por essa razão, não há motivo para dar conselhos dietéticos específicos para as mães. Ainda que a dieta da mãe mude o sabor do leite, não é possível estabelecer um padrão claro.

Mesmo depois da gestação, é importante seguir um cardápio equilibrado para que o leite materno ofereça um monte de nutrientes ao pequeno. Vale a pena investir em verduras, cereais e frutas, entre outros. Também beba bastante líquido, especialmente água natural.

CONTINUE LENDO SOBRE SAÚDE FEMININA:

Recomendado Para Você:

O que você achou? Deixe seu comentário aqui!
Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.